6 de fevereiro de 2015

#Desafio Um Ano de Contos: Janeiro - Temática Livre

Ainda não saiu o resultado oficial para os contos desse mês, então ainda não sei o que os juízes da competição acharam. Mas, como já podemos postar (na verdade, desde o dia 30/01) os contos em nossos blogs, publico essa história para a apreciação de quem passar por aqui. Se possível, deixe seu comentário. Diga o que gostou e o que não gostou. Se sincera e construtiva, toda crítica é bem vinda.


O Primeiro Contador de Histórias

Quando a raça humana ainda era jovem, era ruim fazer perguntas. As perguntas tiravam a atenção dos caçadores da coisa mais importante: conseguir comida. Pelo menos essa era a única resposta que Kalum encontrara fazendo suas perguntas.

Quando perguntou para que o olho servia, lhe disseram que era para ver e seguir o rastro da caça. Quando quis saber dos ouvidos, disseram que era para ouvir quando outro animal espreitava, caçando os caçadores. Quando ficou curioso sobre o nariz, falaram que servia para sentir o cheiro da carne assando sobre o fogo. E quando questionou o porquê da língua, responderam que servia para sentir o gosto da carne e lamber a gordura que escorria da boca.

Mesmo sendo tão curioso, quando chegou à idade certa, Kalum foi aceito pelos caçadores. Eles já haviam aprendido que gente como Kalum era muito útil. Se um tigre dentes-de-sabre os atacasse durante a caçada, o curioso acabava ficando para trás, pensando nas perguntas. Ele virava comida de tigre e os verdadeiros caçadores escapavam.

Claro que isso não quer dizer que eles gostassem de Kalum e suas perguntas. Até porque elas estavam ficando cada vez mais complicadas com o passar do tempo.

Um dia, enquanto caçavam, Kalum pegou duas pedrinhas, uma em cada mão. Então seguiu caminhando com o grupo, girando as pedras entre os dedos. E logo veio a pergunta:

- Pra que serve a mão sentir o que é pontudo e o que não é? 

Como já estavam acostumados a fazer, os caçadores o ignoraram. Kalum, como sempre, ficou olhando de um para outro, na esperança de ter uma resposta. Então algo espetou sua nádega. Era Ascot, que o cutucava com a lança enquanto respondia:

- Para você saber o que pode te furar a carne e te matar. Agora fica quieto!

Com uma careta de dor, Kalum esfregou a mão onde a lança o havia machucado. Decidiu que era mais seguro ficar quieto mesmo.

Mas calar a boca não calava suas dúvidas. Quando os caçadores avançaram contra os antílopes e ele ficou cobrindo a retaguarda, se questionou porque ninguém nunca tinha as respostas para o que perguntava. Vendo os caçadores abaterem a presa, ele pensou que, se aqueles eram os melhores da tribo, e eles não tinham respostas, quem poderia ter?



21 de janeiro de 2015

#Desafio Um Ano de Contos

Dia 21. O Dia que eu planejava colocar esse blog no ar. Acho muito adequado, então, voltar a falar do que fez com que eu acelerasse meus planos. Foi tudo culpa do:


Esse concurso surgiu meio que de repente na minha vida. E eu o abracei com toda a vontade! Simplesmente é a melhor ajuda que eu poderia ter nesse momento. Era o que eu precisava para me comprometer a escrever regularmente.

Um conto por mês. Nem muito nem pouco. E com temas bem variados, o que vai me permitir experimentar bastante.



Entraram nessa também:

- a Kris, do http://conversasdealcova.com;
- o Luciano, do http://academialiterariadf.blogspot.com.br/;
- a Gisele, do http://literafeto.blogspot.com.br/;
- a Aime (sem acento e sem y), do http://www.klaryan.com;
- a N. Chanoski, do http://Umnovo-roteiro.blogspot.com;
- o André Luis, do http://cafemacaca.blogspot.com.br/;
- a Stephanie, do http://www.devaneiosdepapel.com.br/;
- não sei qual dos três rapazes (ou todos os três?), do http://www.literamusicas.com;
- a Majú Marques, do http://casadeagoras.blogspot.com.br/;
- a Andressa Brandão, do http://aconstantinobrandao.blogspot.com.br/;
- o Andryus McLeood, do http://ashra0arok.blogspot.com.br/;
- a Ana Carolina, do http://sem-roteiros.blogspot.com.br/;
- a Ayumi, do http://pandinando.wix.com/pandinando;
- a Nel, do http://www.maisumblogsobrelivros.com;
- a Anna Rios, do http://porumlivronavida.blogspot.com;

Por enquanto, ainda não tive tempo de visitar de verdade cada um desses blogs. Dei só uma passadinha rápida e muito superficial em cada um. Mas vou tentar, aos poucos, ir consertando isso.

Ontem enviei meu primeiro conto, mas, conforme regras do concurso, só vou poder postá-lo aqui no dia 30. Confesso que não fiquei muito satisfeito com o resultado final do meu conto, mas... conversamos sobre isso daqui nove dias.

14 de janeiro de 2015

Balanço de Quarta-Feira


Essa semana está tensa. Gostaria de estar escrevendo mais, de estar estudando mais, mas...

Pelo menos sinto que as coisas estão fluindo. Assuntos que estavam me assombrando faz tempo finalmente estão chegando a uma solução. Pessoas que eu estava evitando se mostraram mais afáveis e tranquilas de lidar do que eu imaginava. As coisas parecem estar indo, ainda que aos poucos, para seus devidos lugares. Tudo isso simplesmente porque tomei as rédeas em minhas mãos e decidi agir. Parei de fugir e encarei os problemas de frente.

Estranho como, na maioria das vezes, meus fantasmas estão mais dentro da minha cabeça do que ao meu redor.

8 de janeiro de 2015

Não Deixe Para Amanhã...

Meu planejamento era muito claro quando decidi começar a escrever à sério. “Vou pegar os cinco dias do feriado prolongado de fim de ano para fazer um brainstorm e decidir o formato do novo blog. Depois, vou me dar um prazo folgado, mas não muito distante, para colocar ele no ar da maneira certa. Hum... Dia 21? É, dia 21. Dia 21 é uma data legal para meu novo blog entrar no ar.”

E aí vem a vida e acontece no meio do planejamento.

Ou melhor, vem a parceria do Conversas de Alcova com o Academia Literária DF e acontece o #DesafioUmAnoDeContos.

Estava eu zapeando pelo Facebook durante uma curta (e extremamente incomum) crise de insônia, quando me deparei com a divulgação feita pela Kris no grupo Blogueiros Literários. Pareceu que o mundo estava me pegando pelo colarinho e dizendo: Você quer escrever, rapaz? Eu vou te dar um motivo para escrever!

E fui eu lá fazer minha inscrição.

Um conto por mês... Ok. Temas pré-determinados... Ok. Os participantes precisam ser blogueiros... Ok...?

“Bem”, pensei, “o Druida Virtual ainda existe...”

Fiz a inscrição usando meu antigo blog. Mas não estava satisfeito. Tanto tempo distante daquele espaço virtual... Faria realmente sentido voltar? Além do que, o que eu estava querendo mesmo era um novo começo e não uma recauchutagem...

E foi dessa insatisfação que o Sonhos de Alkemy surgiu. Um novo blog para novas ideias e novos tempos. O Druida Virtual deve continuar existindo por mais alguns dias. O tempo que levar para eu garimpar as joias preciosas de lá, fechar as portas e apagar as luzes. (Atualização: R.I.P. Druida Virtual) Mais ou menos o mesmo tempo que esse blog aqui vai ficar nesse rascunhão. Por enquanto ele é um pouco mais do que uma daquelas folhas de caderno que a gente arranca para registrar as primeiras ideias. Mas, quando essas ideias ganharem forma, a folha virará uma gaivota mais do que disposta a alçar voo.

Obrigado pelo empurrão, Kris e Luciano.

7 de janeiro de 2015

Gênese

Segundo uma lenda antiga, Alkemy foi criado quando o Sonhador Primordial adormeceu no Grande Vazio e, de seus sonhos, surgiu tudo o que existe.

Mas a maior parte das pessoas acredita mesmo é em outra lenda que diz que o mundo foi criado pelos quatro Gênios Elementais.

E ainda tem aqueles que acreditam que os Gênios eram cinco...